TCE-PB vai sediar encontro para debater causas e efeitos da desertificação no Nordeste

Questões relacionadas ao processo de desertificação das áreas secas do Nordeste vão ser debatidas, na Paraíba, pelos Tribunais de Contas da Região, por representantes de universidades brasileiras, especialistas em meteorologia e gestores públicos regionais.

É o que ficou decidido, na manhã desta terça-feira (14), em reunião de representantes do TCE alagoano e do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (LAPIS), organismo vinculado à Universidade Federal de Alagoas, com os presidentes da Associação de Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) Fábio Nogueira e do TCE-PB Arnóbio Viana, no gabinete deste último.

 O acerto, do qual ainda participou o coordenador nacional (no âmbito da Atricon) das Auditorias do Semiárido, conselheiro Fernando Catão, deu-se após conversa com o conselheiro substituto Alberto Abreu (que coordena ação semelhante no TCE-AL) e emissários do LAPIS Humberto Barbosa e Catarina Buriti.

Também ficou acertada a participação dos TCs de Minas Gerais e Espírito Santo no seminário ainda sem data definida, mas que deverá ocorrer por volta de julho deste ano para o debate e o encaminhamento de providências relacionadas ao tema. Ambos os Estados têm áreas crescentemente afetadas pelo avanço da seca, conforme fez ver o professor Humberto Barbosa.

A ideia é padronizar as iniciativas de enfrentamento dos males decorrentes da estiagem. O acompanhamento constante das gestões públicas e seu papel orientador fazem dos TCs órgãos imprescindíveis à condução de ações permanentes neste sentido, concordaram os participantes da reunião desta terça-feira.

Ascom/TCE-PB

Compartilhe!